DESTAQUES
Pesquisar

Colossal | Novo filme de Anne Hathaway brinca com o conflito de gêneros cinematográficos

Dirigido por Nacho Vigalondo, o longa estreia em 15 de junho no Brasil - com distribuição da Paris Filmes.
"Colossal" retrata uma história universal e aposta no conflito de gêneros cinematográficos. Por um lado, o filme reflete o romantismo cômico característico do cinema independente americano das últimas três décadas, como "Sexo, Mentiras e Videotape", "Beautiful Girls", "Boogie Nights" e muitos outros, incluindo produções recentes como "(500) Dias com Ela", "Jovens Adultos" e "Pequena Miss Sunshine". Por outro lado, ele reflete produções de ficção-científica que se tornaram ícones do cinema fantástico e catastrófico.

O enredo de "Colossal" segue o colapso financeiro de uma mulher que perdeu seu emprego (uma situação relevante para o nosso tempo), coincidindo com o frustrante e confuso processo de amadurecimento após os 30 anos de idade.

No centro de tudo está Gloria, personagem da atriz Anne Hathaway, uma mulher perdida que enfrenta a dor do fracasso profissional e que procura refúgio na cidade onde cresceu. Durante a primeira metade do filme, Gloria encontra Oscar, interpretado por Jason Sudeikis, um velho amigo de infância que acaba se tornando uma fonte de apoio financeiro e emocional.

Na verdade, muitos espectadores vão pensar que esta é uma história sobre duas pessoas encontrando o amor. Mas, neste filme, Anne Hathaway e Jason Sudeikis desafiam as expectativas de seus personagens e se aventuram em territórios que serão surpreendentes para os fãs. 

E tudo isso sem mencionar o monstro gigante que está atacando a cidade de Seul, na Coréia do SulDurante a maior parte do filme, o drama de Glória e Oscar se desenvolve à medida que o mundo teme o ataque de uma criatura gigante, digna dos grandes filmes de fantasia. 


O espectador acompanha a este fenômeno através dos olhos dos personagens, que seguem a tragédia da mesma maneira que que qualquer pessoa: através dos noticiários e do Internet. O longa descreve essa fantasia exagerada da maneira mais realista possível. 

Infelizmente vivemos numa época onde as pessoas estão acostumadas a seguir catástrofes. As reações dos personagens refletem em nossas próprias experiências como público e consumidores de informação.

Mas este filme não é um ensaio sobre o nosso relacionamento com os meios de comunicação de massa. Na medida em que a relação de Gloria, Oscar e da criatura de Seul se desenvolve, a verdadeira natureza da história é revelada. 

"Colossal" fala sobre como o tamanho dos atos não tem que coincidir com o tamanho de suas conseqüências.

Gloria aprende de forma terrível e surpreendente a escala de seus erros. E ela logo vai perceber que em ordem para resolver seus problemas ela terá que crescer ... em todos os sentidos.


Sinopse
Glória (Anne Hathaway) é uma mulher comum que depois de perder o emprego e terminar o seu relacionamento é forçada a deixar sua vida em Nova York e voltar para sua cidade natal. Quando surgem relatos noticiosos de que uma criatura gigante está destruindo Seul, na Coréia, Glória gradualmente percebe que possui uma ligação com esse fenômeno. Na medida em que os acontecimentos na Coréia saem do controle, Glória percebe a razão pela qual sua existência aparentemente insignificante tem um efeito colossal e impactará o destino do mundo.



nanomag

Publicitária, cinéfila e blogueira nas horas vagas. Vivo em Curitiba, sou formada em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda e membro da Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos.


0 comentários on “Colossal | Novo filme de Anne Hathaway brinca com o conflito de gêneros cinematográficos

    Sua opinião é muito importante!