DESTAQUES
Pesquisar

Retrospectiva - 100 anos de Kirk Douglas

Prestes a completar um centenário de vida, seu legado na indústria cinematográfica está distribuído em cerca de 72 filmes. 
Hoje é dia de homenagear mais uma lenda viva do cinema - leia também: 100 anos de Olivia de Havilland. Kirk Douglas (nome artístico de Issur Danielovitch) nasceu no dia 9 de dezembro de 1916, na cidade de Amsterdam, no estado de Nova York, e está prestes a completar um centenário de vida. Além de grandes papéis (e de ser pai do ator Michael Douglas), ele deixou sua marca em Hollywood ao trabalhar com alguns dos cineastas mais incríveis da história, como Stanley Kubrick e Vincente Minnelli.  

Por isso, o Película Criativa relembra a belíssima trajetória de Kirk Douglas no cinema, desde sua estreia na pele do promotor de justiça Walter O'Neil em "O Tempo Não Apaga"(1946), ao legendário gladiador em "Spartacus" (1960).  

RETROSPECTIVA KIRK DOUGLAS

Kirk Douglas, mais conhecido como "Izzy Demsky", era filho de dois imigrantes judeus russos chamados Herschel Danielovitch e Bryna Sanglel. Ele teve uma infância pobre e trabalhou duro para freqüentar a universidade. Na St. Lawrance University, Douglas fez parte da liga de boxe. Para tentar conseguir uma bolsa de estudos, entrou para um grupo de atuação. Devido ao seu talento surpreendente, ele recebeu a bolsa junto com uma atriz que viria a ser conhecida como Lauren Bacall. 

Em 1941, Douglas entrou para a Marinha dos Estados Unidos, de onde saiu após o término da Segunda Guerra Mundial, em 1945. Depois da guerra, ele voltou para Nova York e começou a atuar no rádio e em comerciais de televisão, enquanto tentava entrar para a Broadway.

Sua estreia em Hollywood contou com a ajuda de Lauren Bacall, que conseguiu um papel para o amigo no filme de Lewis Milestone, "O Tempo Não Apaga" (1946). Na década de 1950, Douglas foi o protagonista de vários outros filmes clássicos, como "Ulisses"(1954), e ainda deixou sua marca no papel do marinheiro Ned Land na produção da Disney "20.000 Léguas Submarinas" (1954).

Em 1960, Douglas estrelou o épico "Spartacus", no qual também foi o produtor. A direção ficou com Stanley Kubrick depois que Douglas demitiu o veterano Anthony Mann, que já havia realizado metade das filmagens.

Com 92 títulos em sua filmografia, ele foi premiado 25 vezes ao longo de 70 anos, tendo sido indicado em outras 23 ocasiões. Douglas também recebeu 3 indicações ao Oscar por seu trabalho em "O Invencível" (1949), "Assim Estava Escrito" (1952) e "Sede de Viver" (1956). Neste último, interpretou o pintor Van Gogh. 

Mas, como ele nunca ganhou a cobiçada estatueta do Oscar de Melhor Ator, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas comemorou os 50 anos da carreira de Kirk Douglas com um prêmio honorário, concedido em 1996.

Seu último trabalho foi no filme feito para televisão "Empire State Building Murders" (2008), de William Karel. A produção é um tributo ao cinema noir norte-americano e aos ícones da Era Dourada de Hollywood. 



nanomag

Publicitária, cinéfila e blogueira nas horas vagas. Vivo em Curitiba, sou formada em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda e membro da Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos.


0 comentários on “Retrospectiva - 100 anos de Kirk Douglas

    Sua opinião é muito importante!