DESTAQUES
Pesquisar

“A Corte” será exibido no Festival Varilux de Cinema Francês 2016

Estrelado por Fabrice Luchini, o longa tem previsão de estreia em 11 de agosto de 2016 e será distribuído no Brasil pela Califórnia Filmes. 
“A Corte” conta a história de Michel Racine, um juiz temido do Tribunal Criminal e que comporta-se de forma tão dura consigo mesmo como com os outros. Conhecido como o “juiz de dois dígitos”, sua sentença mínima é sempre maior que dez anos, mas tudo muda quando Racine reencontra Ditte, uma antiga paixão que é escolhida como jurada em um novo caso que ele deve julgar.

A ideia de contar a história de “A Corte” partiu do produtor Matthieu Tarot, um apaixonado por filmes de tribunal que convidou Christian Vincent para escrever e dirigir uma trama sobre um juiz linha dura. Ao contrário de seu produtor, Vincent não conhecia a fundo o universo judiciário e, para escrever o roteiro, assistiu a inúmeras sessões em tribunais franceses, observando todas as partes de um julgamento como um estudante de direito, acompanhando o cotidiano de juízes, advogados e jurados. A cada suspensão da sessão, observava o presidente do júri e seus assistentes, assim como os nove jurados nos bastidores e se deu conta de que o tribunal possui elementos muito semelhantes ao de um teatro, com público, atores, dramaturgia e bastidores. 

A atriz dinamarquesa Sidse Babett Knudsen interpreta Ditte, uma paixão antiga do juiz Racine. “O juiz representa a noite, a parte sombria que temos dentro de nós, enquanto Ditte é a luz. Para criar esta personagem, me inspirei na personagem Christine, interpretada por Nora Gregor, no filme “A Regra do Jogo” (1939) de Jean Renoir. 

A atriz, que morou na França durante sua juventude e aprendeu a falar francês trabalhando como babá antes de ingressar na escola de teatro, comenta sobre as diferenças entre as escolas de atuação francesa e dinamarquesa: “Na Dinamarca, a formação de um ator é baseada na psicologia. Na França, ela é mais física e rigorosa. Para um ensaio, sempre chego com antecedência para aquecer o meu corpo e minha voz. Na Dinamarca isso não se faz. Na França somos educados a ter consciência do espectador. Ele paga, então devemos lhe dar algo em troca”.

Para o diretor, filmar a França, sua diversidade de território, línguas e culturas é um dos objetivos de sua carreira, por isso ele decidiu filmar no Palácio da Justiça em Paris porque se trata de um lugar “onde todas as vozes se cruzam, onde todas as culturas coexistem e onde todas as classes sociais se encontram”.  

Leia também - Os filmes selecionados para o Festival Varilux de Cinema Francês



A Corte | L’Hermine

Michel Racine é um juiz temido do Tribunal Criminal e comporta-se de forma tão dura consigo mesmo como é com os outros. Conhecido como o “juiz de dois dígitos”, sua sentença mínima é sempre maior que dez anos. Tudo muda quando Racine reencontra Birgit Lorensen-Coteret, uma antiga paixão que é escolhida como jurada em um novo caso que ele deve julgar.



nanomag

Publicitária, cinéfila e blogueira nas horas vagas. Vivo em Curitiba, sou formada em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda e membro da Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos.


0 comentários on ““A Corte” será exibido no Festival Varilux de Cinema Francês 2016

    Sua opinião é muito importante!