DESTAQUES
Pesquisar

RETROSPECTIVA 2015 - 11 diretoras de cinema que arrasaram nesta temporada

Elas arrasaram no cinema em 2015 e agora chegou a hora de relembrar seus trabalhos.
Há quem diga que os estúdios de cinema não investem em projetos liderados por diretoras, porque elas não apresentam um histórico de sucesso. Porém as mulheres não conseguem construir esse registro, se não encontram apoio para realizar seus filmes. O tema da igualdade de gênero nunca esteve tão vivo em Hollywood, com artistas de todas as idades falando abertamente sobre o assunto.

Em 2014, cineastas mulheres foram responsáveis por apenas 7% dos 250 principais filmes da temporada, segundo a ACLU (American Civil Liberties Union). Mesmo com um dado da antigo, o número de diretoras com projetos em andamento ainda é muito baixo. Porém é possível observar um movimento no mercado e na mídia, com mulheres se destacando cada vez mais em festivais e premiações internacionais. 

A cada ano, mais filmes dirigidos e protagonizados por mulheres são aclamados pela crítica e faturam milhões nas bilheterias - o que realmente importa para os investidores. Talvez muitos vão torcer o nariz para o que vou dizer agora, mas um grande exemplo é "Cinquenta Tons de Cinza", dirigido por Sam Taylor-Johnson. O filme ultrapassou a marca de US$ 500 milhões na bilheteria internacional.

Para fechar o ano com chave de ouro, quero homenagear as diretoras que se destacaram nesta temporada. Existem grandes motivos para celebrar o fim de 2015, pois duas cineastas brasileiras apresentaram seus projetos ao mundo nesta temporada. Agora resta torcer para que 2016 seja um ano repleto de filmes liderados por mulheres. 

Veja também: TOP 35 - As principais cineastas do cinemas atual


Anna Muylaert com Que Horas Ela Volta?

Não vou citar a quantidade de festivais que esse filme percorreu, nem os prêmios que já ganhou, mas é preciso deixar registrado como é bom ver o cinema nacional florescer desta maneira, com uma participação crescente feminina.

"Que horas ela volta?" foi escolhido para representar o Brasil na disputa pelo Oscar 2016 de melhor filme em língua estrangeira. A relação final só será revelada em 14 de janeiro de 2016. Anna Muylaert é a primeira mulher a representar o país no Oscar em 30 anos, a última diretora a ter um filme eleito foi Suzana Amaral por "A hora da estrela". 

SINOPSE: A pernambucana Val (Regina Casé) se mudou para São Paulo a fim de dar melhores condições de vida para sua filha Jéssica. Com muito receio, ela deixou a menina no interior de Pernambuco para ser babá de Fabinho, morando integralmente na casa de seus patrões. Treze anos depois, quando o menino (Michel Joelsas) vai prestar vestibular, Jéssica (Camila Márdila) lhe telefona, pedindo ajuda para ir à São Paulo, no intuito de prestar a mesma prova. Os chefes de Val recebem a menina de braços abertos, só que quando ela deixa de seguir certo protocolo, circulando livremente, como não deveria, a situação se complica.

Sarah Gavron com As Sufragistas (Suffragette)

O elenco é uma das maiores razões para ver este filme: Meryl Streep, Carey Mulligan e Helena Bonham Carter entregam performances fantásticas. Segundo Gavron, que também dirigiu o longa "Um Lugar Chamado Brick Lane", ela assumiu a imensa responsabilidade de retratar a luta das mulheres que resistiram à opressão de forma passiva.

SINOPSE: O início da luta do movimento feminista e os métodos incomuns de batalha. Mulheres que enfrentaram seus limites pela causa e desafiaram o Estado extremamente opressor.


Angelina Jolie com À Beira Mar (By the Sea)

O filme não fez muito sucesso com a crítica nos Estados Unidos e nem no Brasil, mas ele é estrelado pelo casal vinte de Hollywood e não vai passar em branco por aqui. O trabalho de Angelina Jolie sempre foi alvo de muitas críticas, mas é preciso tirar o chapéu para esta mulher. 

Ela está desenvolvendo suas habilidades atrás das câmeras e este é apenas seu terceiro longa. Jolie ainda revelou que o filme nasceu da necessidade de viver o luto pela morte de sua mãe. A matriarca da família Jolie foi base para a personagem Vanessa, uma mulher que carrega imensa dor e muitos segredos.

SINOPSE: Vanessa (Angelina Jolie), uma ex-bailarina e Roland (Brad Pitt), um escritor, vivem uma crise no casamento. Em viagem pela França se hospedam em um resort litorâneo e, após trocas de experiências com funcionários do hotel e os turistas recém-casados Lea (Melanie Laurent) e François (Melvil Poupaud), tentam se acertar.


Emmanuelle Bercot com De Cabeça Erguida (La tête haute)

Um dos sucessos do Festival de Cannes desembarcou no Brasil para o Festival Varilux de Cinema Francês, que registrou a maior participação feminina na direção de filmes: foram 6 mulheres contra 12 homens. Não há dúvidas que Emmanuelle Bercot teve um grande ano, repleto de prêmios por seu trabalho como diretora e atriz - ela ainda estrela o longa francês "Mon Roi", dirigido por Maiween e inédito no Brasil. 

SINOPSE: Desde os seis anos de idade, Malony comete pequenos delitos e tem problemas com a polícia. Durante toda a sua adolescência, um educador e uma juíza especializada na infância tentam salvá-lo.


Maya Forbes com Sentimentos que Curam (Infinitely Polar Bear)

Ela é uma das novatas da lista e faz parte do circuito de cinema independente americano. "Sentimentos que Curam" foi baseado na infância de Forbes e marca sua estréia como diretora - o filme também foi escrito e dirigido por ela. Seus primeiros trabalhos em Hollywood foram como roteirista em "Monstros vs Alienígenas", "Diário de um Banana 3: Dias de Cão" e "O Roqueiro". 

SINOPSE: O fato de Cameron (Mark Ruffalo) ser maníaco-depressivo não impediu que Maggie (Zoe Saldana) se envolvesse com ele. O casal teve duas filhas, mas os constantes colapsos nervosos de Cameron fizeram com que eles deixassem de morar juntos, por mais que mantivessem contato constante. Em 1978, devido às dificuldades financeiras, Maggie resolve fazer um curso de especialização em Nova York, com duração de 18 meses. A saída para que o plano dê certo é que Cameron deixe o hospital psiquiátrico em que vive para voltar a morar em casa, cuidando das garotas, com Maggie visitando o trio aos finais de semana. Trata-se de um grande desafio para Cameron, que precisa assumir de vez as responsabilidades de pai e aprender a controlar a própria doença.


Elizabeth Banks com A Escolha Perfeita 2 (Pitch Perfect 2)

Elizabeth Banks é mais conhecida por seu trabalho como atriz, em filmes como a franquia "Jogos Vorazes". Mas ela realizou sua estreia na direção de longas-metragens com a continuação de "A Escolha Perfeita". Banks já havia dirigido dois curtas-metragens entre 2010 e 2011, além de um segmento da comédia coletiva "Para Maiores" - tudo indica que ela também estará à frente do próximo filme da franquia "As Panteras".

SINOPSE: Após conquistarem o sucesso, as Barden Bellas ganham a oportunidade de se apresentar para ninguém menos que o presidente dos Estados Unidos. Só que o show é um grande fiasco, o que as torna uma vergonha nacional. Diante do ocorrido, as Bellas são proibidas de participar de competições no meio acadêmico e até mesmo de aceitar novas integrantes. A única saída de Beca (Anna Kendrick), Fat Amy (Rebel Wilson) & cia é vencer o campeonato mundial a capela, o que apagaria as punições aplicadas ao grupo. Mas há um problema: nunca uma equipe americana venceu o torneio.


Sophie Barthes com Madame Bovary

Este é o segundo longa da carreira de Sophie Barthes. Ela também dirigiu "Almas à Venda", com Paul Giamatti e Emily Watson, sobre um famoso ator vivendo uma crise existencial. A nova adaptação da obra de Gustave Flaubert traz Mia Wasikowska no papel principal - não é a primeira vez que a atriz encara uma personagem da literatura clássica, ela também interpretou Jane Eyre

SINOPSE: Na França do século XIX, Emma Bovary (Mia Wasikowska) é a jovem e bela esposa de um tradicional médico de uma pacata cidade. Ela dá início a uma relação extraconjugal para tentar se promover na sociedade e melhorar seu status social. Porém, suas atitudes levam-na ao oposto deu seus objetivos. Adaptação de obra homônima de Gustave Flaubert.


Marina Person com Califórnia

Aqui está mais uma brasileira de destaque no cinema, após passar pela MTV e TV Cultura, Marina Person lançou recentemente seu primeiro longa-metragem, que retrata a São Paulo de sua adolescência - ela também dirigiu o documentário "Person" (2007).

SINOPSE: Início dos anos 1980. Estela (Clara Gallo) é uma adolescente que vive os conflitos típicos da idade, de identidade, amizade e amor. Ela tem um ídolo, o tio Carlos (Caio Blat), jornalista musical que vive nos Estados Unidos. E o maior sonho da menina é visitá-lo na Califórnia, durante as férias. Os planos dela vão por água abaixo, no entanto, quando ela descobre que é ele quem está voltando para o Brasil, magro, debilitado por consequência de uma doença sobre a qual a medicina apenas começava a se debruçar.

Veja também: Retrospectiva do Cinema Brasileiro reúne 52 filmes em São Paulo


Catherine Hardwicke com Já Estou com Saudades (Miss You Already)

A cineasta texana é bem conhecida em Hollywood e acumula alguns sucessos na manga, como os filmes "Aos Treze" e "Crepúsculo". Mas sua nova comédia dramática levou quase três anos para sair do papel e sofreu diversas alterações ao longo do caminho, principalmente no elenco do filme.

SINOPSE: Jess (Drew Barrymore) e Milly (Toni Collette) são melhores amigas desde a infância. Enquanto Milly se casou, teve dois filhos e construiu uma carreira de sucesso, Jess decidiu levar uma vida pacata ao lado do marido Jago (Paddy Considine). Após se submeter a um tratamento, Jess enfim consegue engravidar. Mas a notícia vem justamente quando Milly descobre ter câncer de mama e precisa passar por quimioterapia, o que necessitará do apoio não apenas da amiga, mas de toda a família.


Mélanie Laurent com Respire

Mais conhecida por seus projetos como atriz, este é apenas o segundo trabalho de Laurent no comando de um longa-metragem - ela também dirigiu "Les Adoptés" (2011). "Respire" é uma produção de 2014, mas só chegou aos cinemas brasileiros em outubro de 2015, após sua passagem pelo Festival de Cannes.

SINOPSE: Charlie (Joséphine Japy) é uma típica adolescente do subúrbio francês. Educada e bem-comportada, Charlie dá início a uma amizade com a rebelde e encantadora Sarah (Lou de Laage), nova aluna da escola. Íntimas, as jovens dividem segredos, até que seu relacionamento muda e pode ter trágicas consequências.

Anne Fontaine com Gemma Bovery - A Vida Imita a Arte

O filme também chegou ao Brasil através do Festival Varilux de Cinema Francês. Mas Anne Fontaine é uma das veteranas do cinema inetrnacional e já dirigiu diversos longas, como "Coco Antes de Chanel", meu favorito da cineasta.

SINOPSE: A inglesa Gemma Bovery se muda com o marido para uma pequena cidade francesa. A vida de casada a entedia. Martin Joubert e sua esposa, uma mulher com uma vida muito sofrida, acabam de chegar na cidade. Eles procuram fugir do caos de Paris. Martin fica totalmente encantado com a beleza e o jeito de Gemma, o que os leva ao adultério.

> Dê sua opinião: qual é a sua diretora favorita do ano?
Se você também acha que algum nome de destaque em 2015 não está presente na lista, deixe abaixo seu comentário e ajude a contribuir com a divulgação do trabalho dessas artistas maravilhosas.

Veja também: Retrospectiva 2014 - Conheça as seis diretoras que se destacaram nesta temporada



nanomag

Publicitária, cinéfila e blogueira nas horas vagas. Vivo em Curitiba, sou formada em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda e membro da Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos.


5 comentários on “RETROSPECTIVA 2015 - 11 diretoras de cinema que arrasaram nesta temporada

    1. Tirando a bela Elizabeth Banks todas as outras são MEDÍOCRES!!!! E Marina Person? Cê tá de sacanagem!!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Não é pegadinha do malandro. Estou apenas citando alguns nomes que se destacaram neste ano, acho que precisamos aprender a celebrar o trabalho de diretoras no cinema. Você teria alguma sugestão para incluir na lista?

        Excluir
    2. Parabéns pela lista inicialmente. Infelizmente não vi muitos filmes, mas pude conferir: Que Horas Ela Volta, da Anna Muyalert; A Escolha Perfeita 2, da Elizabeth Banks e o Respire da Melanie Laurent. Foram destaques com certeza. Aplausos para Anna que fez um filme simples, mas interessante, buscando a análise e o debate das relações trabalhistas e do atual contexto social. Banks foi bem com A Escolha Perfeita 2, acho um filme inferior ao primeiro, e creio que ela simplesmente seguiu a fórmula. Foi bem, mas nada demais. E me surpreendi com a Melanie, sou fã dela como atriz, e não esperava ver um filme com toda essa carga emocional em Respire. Com certeza pretendo conferir outras obras dessa lista, se der todas. Eu quero é ver o trabalho dessas guerreiras no meio dessa indústria tão machista. E pra fechar, só lembrar da importância de ver o trabalho de cada uma antes de julgar a competência. Muitos gostam de jogar pedra, mas parar para ver a apreciar é mais difícil.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Exatamente!

        Muito obrigada pela visita e por deixar seu comentário. Volte sempre ;)

        Excluir
    3. Muito bom! mas faltou a Deniz Gamze Ergüven do maravilhoso Mustang :)
      Poderia aumentar a lista pra 12 rs.

      ResponderExcluir

    Sua opinião é muito importante!