DESTAQUES
Pesquisar

Homenagem aos 120 anos da sétima arte

O nascimento das "fotografias vivas" está documentado em "Operários deixam a Fábrica Lumière".
A história do cinema começou em 28 de dezembro de 1895, data em que os irmãos Auguste e Louis Lumière projetaram publicamente a saída dos operários de uma fábrica francesa em Lyon. O êxito desse invento foi imediato, em solo francês, assim como em toda a Europa e América do Norte.

Em um ano, os irmãos Lumière criaram mais de 500 filmes, marcados pela ausência de atores e ornamentos naturais, a brevidade, a ausência de montagem e a posição fixa da câmara. O desenvolvimento das novas técnicas cinematográficas, de uma maior narrativa, e a elaboração dos primeiros roteiros de ficção, fez que os irmãos Lumière ficassem em segundo plano no desenvolvimento de seu cinematógrafo.

O nascimento das "fotografias vivas" está documentado em "Operários deixam a Fábrica Lumière". O local foi um salão do Boulevard des Capucines, em Paris. Mas para desapontamento dos organizadores, não mais de 33 curiosos compareceram à exibição. Afinal de contas, tratava-se de uma sensação mundial, como anunciavam os cartazes espalhados pela capital francesa.

Ainda assim, a noite foi um grande sucesso: pela primeira vez os espectadores vivenciavam imagens animadas, num curta-metragem, em preto e branco. Rodado diante das instalações de propriedade dos irmãos, em poucos segundos ele mostra os portões da fábrica em Lyon, os operários saindo no fim do expediente e um cão vira-lata que salta em meio à multidão: são os primeiros atores de cinema da história.

Mas parece que esses pioneiros não ligavam muito para sua própria invenção. Tanto assim que se atribui a Louis Lumière uma das frases mais equivocadas de todos os tempos, ele teria dito que "O cinema é uma invenção sem futuro".

Por isso, os irmãos Lumière decidiram não vender um dos seus "cinematógrafos" ao mágico Georges Méliès - ele precisou adquirir o aparelho na Inglaterra e passou a fazer filmes de fantasia. O mais famoso deles, "Viagem à Lua" (1902), usa efeitos especiais e é maravilhoso de se ver até hoje.

Os Lumières faziam documentários, como "A Chegada do Trem à Estação de Ciotat", enquanto Méliès fazia ficção, inventava histórias e dava asas à imaginação. Estava estabelecida a diferença entre essas duas vertentes do cinema - a ficcional e a documental.

De qualquer forma, a "invenção sem futuro" se espalhou rapidamente por todos os continentes e países. No Brasil, as primeiras filmagens foram feitas já em 1898, pelos irmãos italianos Segreto.

O vídeo (abaixo), "120 Watching Movies Together", foi realizado pela Tàndem Entertainment e conta com uma seleção de cenas onde a "arte de assistir filmes" foi narrada nas telas do cinema.
 
 
120 years watching movies together from Tàndem Entertainment on Vimeo.


CATEGORIA

nanomag

Publicitária, cinéfila e blogueira nas horas vagas. Vivo em Curitiba, sou formada em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda e membro da Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos.


2 comentários on “Homenagem aos 120 anos da sétima arte

    Sua opinião é muito importante!