DESTAQUES
Pesquisar

Michael Witt, autor do livro Jean-Luc Godard Historian, faz palestra no CCBB durante a Mostra Jean-Luc Cinema Godard

Professor inglês Michael Witt, autor do livro Jean-Luc Godard Historian, faz palestra no CCBB durante a Mostra Jean-Luc Cinema Godard.

Michael Witt, professor e diretor do centro de pesquisa em filme e cultura audiovisual da Universidade de Roehampton em Londres, vem ao Brasil especialmente para a Mostra Jean-Luc Cinema Godard, trazendo não só duas raridades da filmografia do cineasta – uma reconstituição que Godard realizou do longa-metragem “esquecido” “Salve a vida (quem puder)” e um episódio abandonado de “Seis vezes dois”, obras exibidas pouquíssimas vezes – como também fará uma palestra no CCBB-SP em 28 de novembro, às 16h.

Quando: 28/11 (sábado) às 16h
Como participar: Entrada gratuita
Retirada de ingressos na bilheteria com uma hora de antecedência.

Witt, que também acompanhará as exibições das raridades que está trazendo, fez uma extensa pesquisa sobre Godard que resultou no livro Jean-Luc Godard, Cinema Historian (Indiana University Press, 2013). Ele também é co-editor de Jean-Luc Godard: Documents (Éditions du Centre Pompidou, 2006).

Veja também: Jean-Luc Godard no NET NOW

Mostra Jean-Luc Cinema Godard
Em 3 de dezembro de 2015, o cineasta franco-suíço Jean-Luc Godard completará 85 anos de idade. De 21 de outubro a 2 de dezembro, a Heco Produções realiza “Jean-Luc Cinema Godard”, uma retrospectiva completa que exibirá todas as obras do diretor nos CCBBs de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e no CineSesc, com o patrocínio do Banco do Brasil e da BBDTVM e apoio do Grupo Accor.

A mostra contempla a produção do cineasta em seus mais de 60 anos de carreira, com a exibição de 125 obras vindas da França, entre longas, médias e curtas-metragens, séries televisivas, filmes publicitários e vídeo-cartas, as quais exploram os temas mais variados realizados pelo diretor.

“Ao trazer obras nunca exibidas no país, a homenagem pretende inaugurar uma nova perspectiva de debate nacional em relação à filmografia do cineasta, referência para diretores de várias gerações e nacionalidades”, afirma o curador da mostra,Eugenio Puppo.

Paralelamente à exibição dos filmes, e além da palestra do professor Michael Witt, a Mostra também realiza mesas de debate e um curso em cada cidade. Os debates, cursos e palestras são gratuitos.

A Retrospectiva Jean-Luc Cinema Godard contará com duas raridades da filmografia do cineasta: uma reconstituição que Godard realizou do longa-metragem “esquecido” “Salve a vida (quem puder)” e um episódio abandonado de “Seis vezes dois”, obras exibidas pouquíssimas vezes. Elas serão trazidas pelo professor inglês Michael Witt, diretor do centro de pesquisa em filmes e cultura audiovisual da universidade de Roehampton, Londres, e autor de Jean-Luc Godard, Cinema Historian (Indiana University Press, 2013) e co-editor de Jean-Luc Godard: Documents (Éditions du Centre Pompidou, 2006). Além de apresentar os filmes, Witt também fará uma palestra sobre os filmes raros e a carreira de Godard.

No CineSescem São Paulo, em 26 de novembro, às 19h, o evento contará com a palestra da francesa Céline Scemama, professora de estética do cinema na Université Paris I – Panthéon Sorbonne e autora de Histoire(s) du cinema de Jean-Luc Godard: la force faible d’un.

Além da exibição de filmes e debates, a mostra também lançará um catálogo de 304 páginas com textos inéditos e um artigo crítico para cada uma das 125 obras de Godard. O catálogo, organizado por Eugênio Puppo e Matheus Araújo, tem contribuições de pesquisadores brasileiros e especialistas internacionais, como Cyril Beghin, integrante do comitê de redação dos Cahiers du cinema; David Faroult, cineasta e professor de pesquisa em cinema na Université Paris III; Dario Marchiori, conferencista em História das Formas Fílmicas na Université Lyon 2, e da professora e autora Céline Scemama.

O catálogo contará ainda com seis ensaios escritos por: Alain Bergala, professor da Université Paris III - Sorbonne Nouvelle, colaborador da revista Cahiersducinéma e autor de Jean-Luc Godard par Jean-Luc Godard Godard autravailRaymond Bellour, professor da Université Paris III - Sorbonne Nouvelle e coautor de Jean-Luc Godard: Son + ImageNicole Brenez, autora do livro Cinéma/Politique; o professor e doutor Mateus AraújoMichael Witt, autor de Jean-Luc Godard, Cinema Historian e o professor e crítico Ruy Gardnier.

Jean-Luc Godard
Jean-Luc Godard passou a infância e juventude na Suíça. Em 1952, tornou-se colaborador da revista francesa Cahiers du Cinéma e, durante este período, realizou cinco curtas-metragens.

No final da década de 1950, junto com François Truffaut e Claude Chabrol, Godard formou o triunvirato central da Nouvelle Vague, movimento cinematográfico francês que mudou a história do cinema. Em “Acossado” (1959), seu primeiro longa-metragem, já é possível observar procedimentos fundamentais para toda sua obra, como a desconstrução do enredo tradicional.

Ao final da década de 1960, junto ao intelectual Jean-Pierre Gorin, fundou então o grupo Dziga Vertov. O coletivo realizou, entre outras obras, “Vento do Leste” (1969), “Lutas Ideológicas na Itália” (1970) e “Vladimir e Rosa” (1970).

Os anos entre 1975 e 1980 foram marcados pelo experimentalismo com o vídeo e com a televisão. Godard e sua mulher, Anne-Marie Miéville, produziram duas séries no período: “Seis vezes dois: sobre e sob a comunicação” (1976) - doze episódios de 50 minutos cuja primeira parte é um ensaio crítico e a segunda é constituída por entrevistas feitas por Godard com personalidades diversas - e “France tour détour deux enfants”(1979), série em que Godard e Miéville continuam seu percurso em direção a uma posição crítica da comunicação, tomando emprestado os códigos da gramática televisual – reportagens, chamadas de matéria, entrevistas, clipes –, criando uma espécie de antitelevisão.

Salve-se quem puder (a vida)” (1979) marcou o retorno de Godard para ficção narrativa e o cinema. A partir de então, o cineasta realizou filmes como “Carmen de Godard” (1983) e o polêmico “Eu lhe saúdo, Maria” (Je vous salue, Marie, 1985), censurado no Brasil e em diversos outros países.

A partir de 1988, a produção de Godard ganhou um caráter mais retrospectivo. A fase culminou em “História(s) do cinema”, obra em oito capítulos, que reflete a história do cinema através de seu próprio meio.

Mesmo com a idade avançada, Godard não deixou de produzir e inovar. Em 2010, lançou o longa “Filme Socialismo” e, em 2014, “Adeus à Linguagem”, obra que trabalha o 3D de maneira original, não só em relação aos seus filmes anteriores como a todo o cinema que o precede.

Serviço
Jean-Luc Cinema Godard

CineSesc
DataDe 26 de novembro a 2 de dezembro de 2015
Tel: (11) 3087-0500
Rua Augusta, 2075
Cerqueira César – 01413-000
São Paulo - SP
IngressosR$ 12 (inteira); R$ 6 (+60 anos, estudante e professor da rede pública de ensino); R$ 3,50 (trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc).

Centro Cultural Banco do Brasil - São Paulo
DataDe 21 de outubro a 30 de novembro de 2015
Rua Álvares Penteado, 112
Centro – 01012-000
São Paulo - SP
Telefone: (11) 3113-3651/3652
Ingressos: R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia)
Funcionamento: de quarta a segunda-feira, das 9h às 21h



nanomag

Publicitária, cinéfila e blogueira nas horas vagas. Vivo em Curitiba, sou formada em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda e membro da Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos.


0 comentários on “Michael Witt, autor do livro Jean-Luc Godard Historian, faz palestra no CCBB durante a Mostra Jean-Luc Cinema Godard

    Sua opinião é muito importante!