DESTAQUES
Pesquisar

Crítica: “Estranha Obsessão” (La femme du Vème - 2011)


Ethan Hawke estrela suspense psicológico franco-polonês, inspirado em um clássico dirigido por Roman Polanski.

“La femme du Vème” (ainda sem título oficial em português) é uma produção franco-polonesa, dirigida pelo cineasta Paweł Pawlikowski. Apesar de não ser popular no Brasil, o cineasta de origem polonesa trouxe dois nomes de peso para protagonizar seu suspense psicológico. Ethan Hawke e Kristin Scott Thomas formam um estranho par romântico e alimentam uma trama de puro mistério.

O roteiro do filme foi adaptado da obra escrita por Douglas Kennedy e narra a chegada de Tom em Paris, um escritor norte-americano, divorciado, que deseja reencontrar sua filha. Com um passado misterioso e expulso da casa de sua ex-mulher, Tom pede refúgio em um hotel barato e acaba se envolvendo com a namorada do proprietário. Mas outra mulher acaba chamando a sua atenção, a tradutora de livros húngara chamada Margit. O breve romance vivido entre eles acaba ativando a imaginação literária de Tom, mas após uma série de eventos, ele descobre que existe um preço alto a ser pago por essa aventura em Paris.

Quem conhece um pouco do cinema realizado por Roman Polanski perceberá facilmente a forte influência de um dos seus melhores filmes. “O Inquilino” (The Tenant) foi a clara inspiração do diretor Paweł Pawlikowski em “La femme du Vème”. Longe de atingir o nível de qualidade do suspense dirigido por Polanski, o filme consegue instigar o espectador a descobrir o que é verdade dentro da história. A seriedade é a característica dominante do filme, passa pela direção, fotografia, cenários, trilha-sonora e atinge o seu ápice na atuação dos protagonistas. Raramente assistimos um sorriso de um dos personagens, que parecem estar tão confusos quanto o espectador.  

Um dos grandes problemas de “La femme du Vème” é que o filme não cativa o espectador. Apesar de a trama apresentar um grande potencial, há muitas lacunas deixadas em branco por Paweł Pawlikowski. O passado de Tom não é esclarecido, o único momento onde o roteiro entrega uma pequena pista do que aconteceu é através da expressão facial da ex-mulher de Tom, que  chama a polícia ao vê-lo em seu apartamento. A única certeza que “La femme du Vème” consegue transmitir é o fascínio pela mente perturbada de seu protagonista, característica também presente em “O Inquilino”.

Paweł Pawlikowski certamente se esforçou para retratar o submundo da elegante capital francesa. Um dos grandes acertos do filme foi o cuidado do diretor em retratar o isolamento do personagem de Ethan Hawke, o que resultou em uma fotografia e efeitos sonoros perfeitos. Mas durante os minutos finais do filme, o espectador se depara com um fato inesperado, que acaba conduzindo o filme para um caminho desastroso e intangível.

Ethan Hawke arranha seu francês durante todo o filme, mas suas expressões de agonia, isolamento e confusão retratam perfeitamente o sentimento do espectador. Com uma pequena participação, Kristin Scott Thomas seduz com seu sotaque húngaro e entrega uma atuação competente. Mas faltou uma química mais convincente entre os atores principais, que encaram a câmera e não parecem entender a razão de seu relacionamento.

“La femme du Vème” é um filme sem objetivo e que deixa um branco na mente do público. Apesar de possuir elementos dignos de qualquer filme de suspense psicológico, o roteiro não conseguiu encontrar uma luz no fim do túnel.



nanomag

Publicitária, cinéfila e blogueira nas horas vagas. Vivo em Curitiba, sou formada em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda e membro da Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos.


13 comentários on “Crítica: “Estranha Obsessão” (La femme du Vème - 2011)

    1. Acho que um filme "perturbado" não precisa necessariamente ser coeso e amarrar todas as pontas soltas. Não tinha ouvido falar ainda do filme e eu tô mesmo precisando de um filme assim. Previsão de estréia/lançamento?

      ResponderExcluir
    2. Se o filme tem Kristin Scott Thomas, é porque em alguma coisa ele vale a pena :D

      ResponderExcluir
    3. Acabei de ver o filme e achei péssimo. Nada é esclarecido. Ridículo

      ResponderExcluir
    4. Realmente um filme que não tem explicação no início e no fim é complicado...Quer ver um suspense psicológico bom? Então assista Cisne Negro.

      ResponderExcluir
    5. Oh filme ruim, sem começo, sem meio, sem fim...

      ResponderExcluir
    6. O filme tem começo e fim, e é até poético. Por que não conseguem perceber ? É preciso refletir sobre as partes, sobre os diálogos, sobre as nuances das cenas, como se encaixam uma nas outras. Uma atmosfera é criada do início ao fim, e se sustenta. E é possível ver respostas na conclusão do filme, estão ali, mas apenas num formato que parecem se disfarçar, mas está diante do expectador.

      ResponderExcluir
    7. Este comentário foi removido pelo autor.

      ResponderExcluir
    8. ......ALERTA SPOILLER.....!!!

      Eu entendi que ele sofre de esquizofrenia. Mas acontece que no final ele vai pra um apartamento fechado, vazio... e..? Quer dizer o que, que ele cometeu suicídio e se juntou a ela ? Já que vc entendeu Elisangela, pode explicar por gentileza.

      ResponderExcluir
    9. ......ALERTA SPOILLER.....!!!

      Eu entendi que ele sofre de esquizofrenia. Mas acontece que no final ele vai pra um apartamento fechado, vazio... e..? Quer dizer o que, que ele cometeu suicídio e se juntou a ela ? Já que vc entendeu Elisangela, pode explicar por gentileza.

      ResponderExcluir
    10. Ele não tem necessariamente esquizofrenia, que é caracterizada por alucinações auditivas. Ele parece ter sim uma psicose e quem sabe até traços de psicopatia. Mas é comum esse tipo de confusão nos filmes que abordam distúrbios mentais. De toda forma, achei interessante como o filme consegue envolver o telespectador na mente perturbada do personagem. Mas de fato para mim faltou alguns links, partes da trama que ficaram no ar. Talvez eu não tenha tido a sensibilidade suficiente para captá-las. Quem conseguiu, seria interessante compartilhar aqui.

      ResponderExcluir
    11. na minha percepção o autor deixou o filme de maneira em que os reais fotos ficassem escondidos por trás de charadas. o que eu acho da historia em si, é um homem perturbado por lembranças do passado disposto a fantasiar senas que aconteceu no filme da maneira que ele deseja. acho que ele era afim da própria filha e via na garçonete que ele se envolveu a filha ja em fase adulta. lembrando do que aconteceu quando ele foi pegar a filha pra morar com ele. no final do filme a filha dele sumiu e do nada apareceu em um bosque sozinha, bosque esse que a garçonete viu em sonho e relata pra ele em determinada sena. ele também ver esse bosque ja que foi ele que levou a filha pra lá, mas nao fez nada com ela. o filme termina com a mulher morta (segundo o filme) falando para ele ficar com ela indefinitivamente. dai é quando aparece a filha dele saindo do bosque revelando que ele resolvel ficar com a filha só na cabeça dele. por isso da frase lida na carta em que diz. "vou te manter a salva dentro de mim te afastando das trevas dos meus pensamentos"; mais ou menos isso. que fique claro que eu não gostei do filme.

      ResponderExcluir
    12. tive outras formas de pensamento para o filme, porém, não conseguir expressá-las em palavras. desculpa. mas para esclarecer uma ultima coisa, ele fez o livro dele depois da decepção amorosa que ele viveu por isso que o livro apesar de ser na floresta ele e a garçonete diz que é um romance, ja que tudo aconteceu lá na floresta do livro dele.

      ResponderExcluir

    Sua opinião é muito importante!